O último framework

Augusto Pascutti bio photo By Augusto Pascutti Comment

Um framework tenta suprir às necessidades da maioria dos desenvolvedores criando uma camada de abstração que facilita a vida deles no dia a dia.
Não vou contestar a prática de abstrair algo, pelo contrário, acho ela extremamente necessária e vou incentivá-la. Só vou contestar como isso vem sendo feito até agora.

Qual o melhor framework existente hoje?

Responder uma pergunta com outra é algo ridículo de se fazer, mas nesse caso algo extremamente justificável. Porque você acha a resposta à essa pergunta importante?

Julgo eu que essa pergunta é feita a fim de saber qual o framework que mais vai ajudar você a fazer o que você quer no dia a dia. Se perguntada de outro jeito, seria algo como: Qual o framework que mais vai me ajudar?!

Hoje a resposta seria o Symfony 2. Depois de demorar mais do que uma gestação humana para ser feito, testado e liberado com uma API estável ao “público”, eu não chamaria o projeto de um sucesso completo. Mas um sucesso, sem sombra de dúvida ele é.

O Symfony 2 é extremamente produtivo, possui integrado ferramentas muito competentes no que fazem e é bem documentado. É relativamente rápido, possui um sistema de plugins (bundles) e além de possuir um praticamente popstar como mantenedor, te ajuda como nenhum outro framework com os erros.

Poderia analisar cada framework, com os prós e contras de cada um agora, e ainda assim, o Symfony 2 ganharia dos demais em um tipo de média. Agora uma pergunta interessante que quase nenhum desenvolvedor faz é:

Existem motivos para não escolhê-lo?

Obviamente que sim, mas estes motivos não estariam ligados somente ao Symfony, e sim a praticamente qualquer outro framework que você citar.

Tente criar uma página “Sobre”, só com um textinho bonito. O resultado provavelmente seria uma classe para responder à URL (Controller) e uma View, quando no caso a única coisa que precisa existir de fato é o arquivo HTML que é a View.

Em vários outros casos o framework acrescenta uma complexidade desnecessária, o que resulta (ao invés do que se espera) em mais tempo para desenvolver algo. A complexidade é tão grande que uma ótima decumentação é requisito mínimo de um bom framework. No fim (ou hoje mesmo) uma série de auto proclamados profissionais sequer sabem a diferença entre o framework e a linguagem.

Todo framework possui uma curva de aprendizado, por menor que ela seja. Todo framework possui uma limitação, não importa o quão abstraídos são os domínios. Nenhum framework é tão bem documento quanto o PHP e nenhum framework tem uma base de uso tão grande quanto o PHP.

Passou da hora de copiarmos outras linguagens, nós já dominamos a internet. Temos uma das maiores (senão a maior) comunidade Open Source, somos um dos maiores (senão o maior também) casos de sucesso do modelo Open Source e ainda achamos que o Rails ou o Java são uma boa idéia.

O PHP

É a linguagem mais utilizada na internet não por causa do nome, do mascote ou de um framework. Ela o é porque é multiparadigma. Ela sai do caminho do desenvolvedor.

Já temos ótimos frameworks para praticamente todas as necessidades e gostos, mas somos uma linguagem incrivelmente pobre em termos de componente. Praticamente todo framework tem e depende muito de um sistema de cache, mas não temos nenhum componente de cache bom, indepente dos frameworks.

Temos MVC em todos os frameworks, mas nenhum componente que forneça uma estrutra pra isso de forma razoável a ser utilizada por todos os frameworks. Autenticação sem um framework deve ser feita na mão, praticamente todo site hoje tem autenticação e não existe nenhum componente de autenticação escrito em PHP.

Os frameworks deixaram de ser uma opção, viraram uma prisão. Uma dependência para muitos desenvolvedores e para a comunidade em geral. Temos ótimos frameworks se comparados com outras linguagens e eles não são poucos, mas poucos componentes bons quando se trata de uma tarefa em específico.

A filosofia unix

Faça pouco, mas faça isso como ninguém. Seja o melhor do melhor do mundo em dizer “Oi” como quem viu um pato molhado vestindo capa de chuva amarela sem a bota direita.
Essa é a filosofia que fez um sistema operacional ser o melhor pedaço de software do mundo durante muitos anos consecutivos, e o melhor: livre e gratuito.

O último framework

Não se trata de um framework propriamente dito, muito menos se trata de um framework que torne desnecessário qualquer outro. Se trata de um conjunto dos melhores componentes existentes para as mais diversas tarefas que possamos precisar.

Ele não precisa de documentação, ele não precisa ser utilizado de forma completa. Ele sai do caminho do desenvolvedor, mostrando a ele quais são as melhores ferramentas para serem utilizadas contra cada problema. Cada componente faz o que deveria fazer e ponto, assim como um comando no terminal faz seu trabalho.

“Como sair do caminho do desenvolvedor” ou “O que faz um bom componente” ?

Diga não ao parnasianismo do software. Precisamos da simplicidade se quisermos manter nossa sanidade. O que é mais simples do que pegar um problema e resolvê-lo? A documentação? Métodos pública de uma classe deveriam ser mais do que suficientes, caso o problema seja um pouco maior do que o esperado, aquele README espertinho contendo alguns exemplos curam até câncer se você quiser.

  • Quase todo mundo usa o Git, digo, o GitHub. Resistir é inútil.
  • Utilize os padrões. Se classes são necessárias, a PSR #0 foi criada para isso.
  • Temos um padrão de código que é praticamente do próprio PHP, a da Pear ou da Zend.
  • Temos um gerenciador de pacotes muito bom, tanto para código PHP quanto para extensões em C, a Pear.
  • Temos uma ótima ferramenta a candidata única de testes unitários, o PHPUnit e se não agradar o PHP tem a própria ferramenta de testes, o PHPT.

Quais os componentes precisamos?

Pracisamos de praticamente tudo, sério. O que temos hoje ou é demasiadamente complexo, ou não é mais mantido, não é documentado ou não é utilizado como componente (faz parte de um conjunto maior).

  • Autenticação
  • Configuração
  • Relatórios
  • Cache
  • Parser/Tokenizer
  • Active Record (Para os fan boys de Rails, quem sabe …)
  • Requisição/Resposta (Ex: HTTPKernel do Symfony)
  • Gerência de Banco de Dados (Migrations)
  • Gerência de configuração

E mais qualquer coisa que você tenha feito mais de uma vez. Ajuda nos comentários, manda um pacote ou sugestão de componentes que você acha que é simples o suficiente para o que você julga ser o idel Último Framwork.

Eu comecei um pet project cujo meu objetivo é manter simples e sempre utilizando o máximo de componentes que eu puder. Ele começou e isso é o que importa, não esta nem um pouco intuitivo (ainda) eu acho, mas críticas são bem vindas, sempre. Espero elas no GitHub.

comments powered by Disqus